Eu reconheço a minha história – uma postura de autorrespeito

O termo respeito é derivado do latim respectus, que corresponde ao uso do substantivo do particípio passado do verbo respicere, cujo significado literal é “olhar para trás”, “olhar de volta”, “considerar”. Do latim re – de novo, e spicere – olhar. Neste sentido, eu acredito que cultivarmos o autorrespeito é podermos olhar com generosidade paraContinuar lendo “Eu reconheço a minha história – uma postura de autorrespeito”

Tradições Familiares

Todo domingo depois do almoço é um momento em que as mulheres da minha família se reúnem espontaneamente para fazer as unhas e conversar. Hábito que se tornou tradição e vem com afetos que preenchem com cuidado. Fazer as próprias unhas ou as unhas umas das outras é algo forte entre nós. Habilidade que euContinuar lendo “Tradições Familiares”

Restaurar Feridas

Tigelas de cerâmica. Heranças dos antepassados. Há também objetos escolhidos para compor a nossa casa, usos cotidianos. São como as nossas histórias e nossas vidas. São como as heranças recebidas dos nossos familiares, são como as relações que nos estruturaram e que nos estruturam. Nós crescemos e nos formamos, nos tornamos quem somos a partirContinuar lendo “Restaurar Feridas”

O medo de estar perdendo algo

Não é só sobre o medo de estar perdendo algo, mas sobre achar que irá perder uma coisa muito boa e que vai se arrepender para o resto da vida. Primeiro é achar que vai perder, depois achar que vai se arrepender, depois imaginar os prejuízos que terá ao perder e achar que vai perderContinuar lendo “O medo de estar perdendo algo”

Sobre fazer o que se acredita

Será que fiz a coisa certa? Será que vou conseguir? Isto ou aquilo? Casar ou comprar uma bicicleta? Falar ou não falar? Ao contrário da música, será que me contentarei em ter aquela velha opinião formada sobre tudo ao invés de preferir ser uma metamorfose ambulante? Será que sei quem sou? Importa para mim oContinuar lendo “Sobre fazer o que se acredita”

Noites no App de Relacionamentos

Vou curtir, Túlio o nome dele, bonito, gostei do nome também, cabelo estiloso, barbinha bem feita, sorrisinho meigo, gostei. Esse não, esse não, esse não… Foto escura demais, não dá para ver nem o olho da pessoa. Gente, nossa, esse aqui está muito lindo, se veste bem, ai que sorriso, tem um olhar bonito, aiContinuar lendo “Noites no App de Relacionamentos”

Descontinuidades e continuidades

Sabe aquela sensação de começar e não chegar ao fim? Estamos sempre fazendo planos mentais, destes planos alguns iniciamos com ações concretas, e uma grande parcela de nossos sonhos se perdem no início do caminho. E muito poucos, mas muito poucos levamos adiante e obtemos resultados satisfatórios. São as descontinuidades e a falta de continuidadeContinuar lendo “Descontinuidades e continuidades”

Santo é o pecador que nunca desistiu

O santo atingiu a maturidade, penso eu. E por falar em maturidade, como tenho dito nos últimos tempos, quão benéfica é esta conquista! A maior conquista que alguém pode fazer. É atingir um estado de integridade pessoal que traz felicidade para si e para a sociedade. Mas como tornar-se uma pessoa madura? Primeiro tentar, depoisContinuar lendo “Santo é o pecador que nunca desistiu”

Maturidade é saber ser benção para o outro

Eu acredito que a vida é como montar um grande quebra-cabeça. Singular para cada um de nós e sempre tem aquela pecinha essencial que faz tudo casar, uma peça que faz sentido na nossa história, na nossa configuração de vida. As vezes é aquele ponto mais central onde tudo se resolve, onde tudo se encaixaContinuar lendo “Maturidade é saber ser benção para o outro”

Pequenos e Silenciosos Abandonos

Silencioso, inconsciente, imperceptível, sem nenhuma intenção, mais parece cobra sorrateira. Perigosamente invade as relações parentais. Muitos pais conscientemente nunca abandonariam os filhos e aparentemente não abandonam. É o tempo! Mas abram os olhos e o coração, o tempo pode exigir vigilância! A modernidade líquida, que o Bauman nomeou, nos permeia com seus modos e costumesContinuar lendo “Pequenos e Silenciosos Abandonos”